voltar Voltar
  • Aplicativos
  • Bancos
  • E-commerce
  • Financeira
  • Fintech
  • Fraudes
  • Tecnologia
  • Varejo

Liveness: como a inovação ajuda na validação de identidade?

rafaella.melani
  • 20 de abril de 2020
  • 4 min de leitura

Tecnologias de biometria facial estão sendo cada vez mais usadas no mundo inteiro em processos virtuais de validação de identidade. Mas como garantir a confiabilidade desse procedimento? Como comprovar que uma pessoa não está usando uma foto de terceiros para se passar por outra? Para diminuir fraudes e garantir a identificação, o uso da tecnologia liveness é fundamental. 

Também conhecida como face liveness ou detecção de vida, essa ferramenta possibilita verificar se a pessoa que está do outro lado da tela do celular ou do computador está ao vivo e não usando uma foto ou imagem para enganar o sistema de reconhecimento facial.

Neste artigo, vamos entender melhor o que é o liveness e como essa tecnologia é fundamental para uma validação de identidade eficiente e confiável.

Mas antes de conhecer mais sobre a tecnologia liveness, é necessário saber o que é o reconhecimento facial e quando ele é utilizado. Também chamada de biometria facial, essa medida de segurança tem como objetivo identificar uma pessoa por meio da análise de traços do rosto

O que é Biometria Facial?

Utilizando algoritmos matemáticos, a tecnologia realiza um mapeamento de vários pontos do rosto humano, chamados pontos biométricos. Essa tecnologia é conhecida como motor biométrico facial.

Ao todo, o rosto humano conta com cerca de 80 pontos. O sistema analisa, por exemplo, espaçamento entre as sobrancelhas e o queixo e distância entre olhos, nariz e boca, marcas e cicatrizes, contorno da face e formato da extremidade do rosto. A partir destas medidas é possível gerar um código correspondente à biometria facial de cada pessoa.

Essa tecnologia está sendo cada vez mais usada tanto no setor público como privado. Entre as áreas que utilizam ferramentas de biometria facial, estão:

  • Processos de compras e cadastros: no setor privado, essa tecnologia está sendo usada para evitar fraudes, por exemplo, em processos de concessão de crédito e na aprovação de cadastros em compras online e offline;
  • Permissão de acesso: outro uso do setor privado é a liberação de acesso em empresas para controlar a circulação em áreas de acesso restrito de funcionários;
  • Segurança pública: já no setor público, a biometria facial começa a ser usada para proteção de fronteiras, nas alfândegas e aeroportos, além de videomonitoramento nas ruas para identificação de suspeitos pela polícia.

O que é liveness?

Como vimos, a biometria facial é uma importante tecnologia de segurança na hora de identificar identidades. Mas, principalmente quando essa identificação é feita de maneira virtual, como em compras online, concessão de crédito ou realização de cadastros, como garantir que existe um indivíduo real atrás da câmera? Como assegurar que uma pessoa não tirou uma fotografia de outra foto na tentativa de se passar por alguém?

Aí entra a tecnologia liveness. Essa ferramenta é usada para identificar se a pessoa está realmente ao vivo no momento da captura da foto e não está usando uma imagem de terceiros. Para isso, a ferramenta utiliza algoritmos que analisam os dados coletados e assim consegue comprovar se a amostra biométrica é um ser humano vivo ou uma representação falsa.

 

Leia ainda: Roubo de identidade: o que é e como se prevenir desse problema 

 

Existe duas formas de realizar a detecção de vida, também conhecida como face liveness detection:

  • Processo ativo, no qual se solicita que o usuário execute alguma ação que não poderia ser simulada facilmente, como movimentação do rosto ou interação com o sistema, por exemplo, pressionar uma tecla.
  • Processo passivo, no qual a ferramenta não usa a interação com o usuário para detectar falsificações. Nesse caso, a tecnologia utiliza algoritmos e captura de dados biométricos de alta qualidade para garantir a veracidade de imagem.

A utilização da tecnologia liveness reduz muito os riscos de fraude. Com essa ferramenta, não é possível utilizar fotos retiradas de redes sociais, por exemplo, ou outras páginas para tentar enganar o sistema e se passar por outra pessoa. Com esse processo de validação, você garante que a pessoa que está buscando se identificar é quem diz ser e está de fato do outro lado da tela.

Acesso Digital e uso da tecnologia liveness

A Acesso Digital, por meio da sua tecnologia AcessoBio, é um exemplo de uso da tecnologia liveness em sistemas de biometria facial. A ferramenta de fácil implantação garante a validação de identidade, de maneira segura e ética, otimizando a confiabilidade das operações. A Acesso Digital foi a primeira empresa do mundo a desenvolver e disponibilizar o liveness como recurso para seus usuários.

O reconhecimento facial promovido pelo AcessoBio acontece da seguinte maneira:

  • a foto de uma pessoa é capturada e processada pela tecnologia liveness que comprova que ela foi tirada ao vivo;
  • em seguida, a foto capturada e o número de CPF cadastrado são analisados de forma comparativa com a maior base biométrica privada do Brasil para que dessa forma seja possível dizer se aquela  face corresponde ao cliente, assim como seu CPF;
  • vale ressaltar que tudo isso acontece de forma transparente e ética.

A tecnologia liveness utilizada pelo AcessoBio tem como diferencial o fato de que não é necessário que a pessoa que está realizando a validação interaja com o sistema ao tirar sua foto . Isso proporciona uma melhor experiência ao usuário.

O AcessoBio utiliza tecnologia de inteligência artificial em conformidade com as leis e é capaz de identificar se a pessoa está realmente ao vivo no momento da captura da foto. Tudo isso com uma assertividade de 99,56%.

Além disso, o AcessoBio conta também com as seguintes funcionalidades no processo de validação de identidades:

  • Face Match: a partir dessa funcionalidade é realizada uma comparação da foto capturada com a foto extraída do documento apresentado. 
  • OCR: essa ferramenta permite a conversão dos caracteres de alguns documentos pessoais em texto editável, agilizando o processo de cadastro dos seus clientes; 
  • Validação 1:1: Verificamos se o usuário que está realizando determinada ação é o mesmo que foi cadastrado anteriormente, confrontando a foto enviada contra a base do próprio cliente.
  • Tipificação de documentos: com essa tecnologia é possível analisar se o que está sendo capturado é realmente o documento solicitado.

 

Veja também: O que é machine learning e quais são seus benefícios para as empresas?

Se você se interessou e gostaria de saber mais sobre essa tecnologia, fale com um dos especialistas e descubra como o AcessoBio pode transformar a rotina da sua empresa.

Crédito da imagem: gstudioimagen

Artigos relacionados